O presidente do Governo dos Açores, que hoje participa na oitava Cimeira Europeia das Regiões e dos Municípios, em Bucareste, Roménia, defendeu “a importância das regiões no funcionamento e concretização das políticas europeias”.

”As regiões devem estar bem presentes [na União Europeia], não apenas numa fase de definição de políticas, mas de concretização das mesmas, e devem estar a par e a dominar os mecanismos que lhes são dados para essa concretização. A importância das regiões, naquilo que é o funcionamento e a concretização das políticas que a UE define, é uma mensagem fundamental”, disse Vasco Cordeiro.

Vasco Cordeiro respondia aos jornalistas na Horta, à margem da sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, quando questionado sobre as mensagens que pretende transmitir na Roménia, destacando ainda a questão da sustentabilidade.

“Uma das grandes preocupações do momento é a sustentabilidade. A sustentabilidade no que é promovido pela UE, mas sustentabilidade também naquilo que as regiões desenvolvem muitas das vezes ao encontro dos objectivos quer da UE, quer dos seus próprios”, disse o dirigente socialista.

Neste capítulo, o president e doGoverno Regional dos Aço­ res deu como exemplo a região que representa, lembrando al­ gumas das estratégias e pro­ gramas regionais que desejaver desenvolvidos também noâm­ bito europeu.

“Podemos falar do programa regional para lidar com as alterações climáticas, nas questões relativas à mobilidade elétrica ou mesmo no enquadramento do turismo. A esse propósito, aliás, recordo a aposta do Governo Regional [dos Açores] em certificar os Açores como destino turismo sustentável”, referiu.

Vasco Cordeiro integra a delegação portuguesa que hoje e sexta-feira participa na oitava Cimeira Europeia das Regiões e dos Municípios que decorre em Bucareste, Roménia, um evento coorganizado pelo Comité das Regiões Europeu, pela presidência romena do Conselho da UE, bem como por associações romenas de órgãos de poder local e regional.

A cimeira contará com conferências e debates temáticos, estando previstos temas como a coesão social e a integração nas regiões e nos municípios ou a subsidiaridade ativa e o reforço da democracia europeia, entre outros.
Para hoje à tarde está prevista a intervenção do presidente do Governo Regional dos Aço­res no painel subordinado ao tema”Construção de um futu­ro sustentável através das re­giões e municípios da UE”.

O também presidente da Conferência das Regiões Peri­ féricas Marítimas daEuropa vai estar aoladode oradores como a presidente daAssembleiadas Regiões da Europa e do R2o (Regiões paraa ação climática), Magnus Ber ntsson, a presi­ dente da Câmara de Sibiu, Ro­ ménia, Astrid Fadar, bem como o primeiro vice-presidente do Comité das Regiões Europeu, Markku Markkula.

Ao antecipar a cimeira que junta cerca de 500 dirigentes políticos de todos os estados membros da UE, Vasco Cordei­ro lembrou o momento “importante” que a comunidade europeia vive devido “não apenas com as questões relativas ao Brexit, mas também o que tem a ver com a discussão do quadro financeiro plurianual 20 21/ 20 27”, somando as elei­ções europeias marcadas para maio.

”As políticas de coesão e as po­líticas de energia e a sua rele­vância para as regiões e para os cidadãos europeus são outros temas importantes e mensa­gens com certeza a passar’; con­cluiu.

A Cimeira Europeia das Re­giões e dos Municípios, que acontece de dois em dois anos, foi criada com o objetivo de ga­rantir que os Órgãos de poder local e regional contribuem ple­namente para os debates mais relevantes na UE.

O Comité das Regiões Euro­peu, criado em 1994 na sequên­cia da assinatura do Tratado de Maastricht, é a assembleia da UE dos representantes regionais e locais dos 28 estados-membros, sendo atualmente composto por 350 membros efetivos, 12 deles portugueses.

Share This