ALENTEJO LITORAL

BAIXO ALENTEJO

LEZÍRIA DO TEJO

ALTO ALENTEJO

ALENTEJO CENTRAL

ALENTEJO

O Alentejo, a nível de área, corresponde a 33% do continente, e a nível populacional corresponde a 7,5%. Economicamente, no sector primário a predominância é na pesca e agricultura, no sector secundário é na indústria da cortiça e no sector terciário o foco está no turismo rural. É uma região com 165 km de costa, com clima mediterrânico, rico em fauna (lebre, codorniz) e em flora (sobreiro, oliveira). É conhecido pela sua gastronomia (porco alentejano e migas), património (Capela dos Ossos) e artesanato (tapetes de Arraiolos).

 

Exemplos de iniciativas e projetos apoiados pela Europa

 

  • Alentejo Global Invest: visa atração de investimento externo, desenvolvimento económico regional, promovendo a nível nacional e no exterior os recursos típicos da região, tornando-os mais atrativos para captar investimento e fomentar o desenvolvimento. Este projeto foi comparticipado em EUR 756.616,88.

 

  • Parte do Ferrovia 2020 é a ligação Sines-Caia para transporte de mercadorias. É um projeto muito importante para Portugal a nível estratégico. Recebeu financiamento de fundos comunitários, cerca de 130 milhões de euros e compreende intervenções já concluídas e outras em execução.

 

  • O projeto MARSW desenvolve um sistema de monitorização e de informação da biodiversidade marinha na Costa Vicentina e no Sudoeste Alentejano. Contribui para a proteção da natureza permitindo uma monitorização do estado de conservação das espécies e habitats, essencial para uma melhor gestão de recursos e a melhores tomadas de decisões. Este projeto foi financiado por fundos europeus em 894.108,13 EUR .

 

  • Através da marcação genética do pinheiro manso, é possível desenvolver os mesmos para produção, aumentar a sua resistência em relação a certo tipo de insetos e ser possível rastrear a proveniência genética da mesma para obter a certificação do Pinhão com denominação de origem certificada. Este projeto, SelectPina, obteve apoio financeiro da União Europeia na ordem dos 400 mil euros.

ALENTEJO LITORAL

O Alentejo Litoral é uma região com cerca de 100 000 habitantes, tendo este número vindo a aumentar devido ao aumento populacional dos municípios de Sines e Santiago do Cacém. Sendo uma região costeira e diversificada, o Alentejo Litoral apresenta-se como uma região que tem à sua disposição diversos recursos e que, apesar de ter uma população envelhecida, não sofreu com a migração para os centros urbanos.

 

Exemplos de iniciativas e projetos apoiados pela Europa

 

  • Sines dispõe hoje de um dos centros de arte mais modernos e atrativos de Portugal, sendo financiado por fundos europeus na quantia de 2 680 000 EUR. A construção deste complexo multifuncional terminou em 2005 e inclui uma Biblioteca, um Centro de Exposições, um Auditório e um Arquivo.

 

  • Aproveitando as características meteorológicas da região, exposta aos ventos ocidentais, foi posto em prática e encontra-se hoje terminado o projeto “Turbinas eólicas frente ao oceano”, financiado por fundos europeus em 190 000 EUR, que consiste num parque eólico, hoje totalmente funcional, que gere e vende energia à EDP.

 

  • Fazendo face ao crescente aumento populacional desta região e como medida de prevenção do abandono escolar e promoção de igualdade de acesso ao ensino foi posto em prática o projeto TEIP, PIEF, Mais Sucesso, cofinanciado 85% por fundos europeus.

 

 

  • Ainda no domínio da tecnologia e inovação encontramos o projeto INIESC (Infraestrutura Nacional de Investigação em Energia Solar de Concentração), cofinanciado pela União Europeia na quantia de 876 897 EUR, que visa utilizar os recursos naturais da região para gerar energia em prol do ambiente.

BAIXO ALENTEJO

O Baixo Alentejo caracteriza-se pelas suas planícies, sendo composto por 13 concelhos, dentro destes apenas duas cidades: Beja e Moura. É abundante em sol e na produção de produtos como azeitona, trigo, uvas e carnes. Por ser uma região marcada pelo sector primário sofreu muito com a migração para os centros urbanos.

 

Exemplos de iniciativas e projetos apoiados pela Europa

 

  • Para combater a desigualdade no acesso ao ensino e proporcionar melhorias nas infraestruturas escolares houve um grande investimento nesta área, cofinanciado pela União Europeia, englobando várias instituições de ensino como o Agrupamento de Escolas de Aljustrel, o Agrupamento Vertical de Escolas de Moura, o Agrupamento de Escolas n. 1 de Beja, até o Instituto Politécnico de Beja, entre outros.

 

  • Relativamente a produtos desta região e ao seu desenvolvimento e proteção, na cidade de Beja existe o CEBAL– Centro de Biotecnologia Agrícola e Agro-Alimentar do Alentejo, que leva a cabo o projeto ValBioTecCynara – Valorização económica do cardo (Cynara cardunculus): variabilidade natural e suas aplicações biotecnológicas. Este projeto surge no âmbito de exploração de rotas inovadoras para o desenvolvimento de novos produtos relacionados com o cardo e é cofinanciado por fundos europeus em 592 mil euros.

 

  • A nível urbano foram postos em ação vários projetos com vista a tornar apelativa e bem conservada uma zona caracteristicamente mais rural, ao mesmo tempo que se promovem estratégias de baixo teor de carbono, com vista à proteção do ambiente, todos eles financiados em mais de 80% por fundos europeus, como por exemplo a construção de vias pedonais, Reabilitação da Ponte do Corunheiro com criação de acesso pedonal, ambos no Município de Moura, a Expansão da ciclovia de Aljustrel, Ações de apoio à promoção da mobilidade urbana sustentável no Município de Castro Verde e a Requalificação do Mercado Municipal de Aljustrel.

LEZÍRIA DO TEJO

A região da Lezíria do Tejo, inserida no Ribatejo, cuja capital é Santarém, caracteriza-se pelo seu pão, tomate e arroz, e a famosa sopa da pedra de Almeirim. Para além destas, temos ainda nesta região o azulejo, o artesanato e os bordados. Esta região corresponde a 2.0% do PIB nacional, albergando instituições de ensino superior, tendo alguma importância turística e também uma boa parte da sua atividade económica no sector primário, nomeadamente a pesca. É uma região cultural, de tradições enraizadas, com boas condições climatéricas e não tão afetada com a migração de jovens quando comparada com outras regiões.

 

Exemplos de iniciativas e projetos apoiados pela Europa

 

  • A valorização ambiental dos recursos hídricos do Município de Santarém é essencial para preservar e valorizar os recursos naturais da região como um elemento diferenciador. Ao mesmo tempo que ajuda para um desenvolvimento sustentável de recursos amigos do ambiente garante-se a proteção de recursos hídricos e ecossistemas e cria-se um património natural rico em biodiversidade e que atrai investimento para a economia local. Este projeto contou com financiamento da União Europeia em EUR 375 987,82.

 

  • A nível social e com vista a melhorar as condições para passagens de peões e facilitar atividades de lazer, o Açude do Rio Sorraia em Coruche contou com uma comparticipação de fundos europeus no valor de EUR 2 082 626,75. Este projeto englobou uma ponte pedonal e o açude, e mostra a intenção de um desenvolvimento económico não apenas no sector primário mas também ao nível do turismo nesta região.

 

  • Em Salvaterra de Magos, o arranjo urbanístico do Rossio de Muge e a requalificação da vala do rio Mugem, engloba uma área de intervenção maior do que 7,2 hectares, com um impacto social significativo, financiado pela UE em EUR 597 281,85, criando o seguinte: parque de merendas, espaço de jogo e recreio, alameda pedonal, área de lazer, recinto de festas e edifício de apoio e área de tratamento de resíduos verdes.

ALTO ALENTEJO

O Alto Alentejo é caracterizado pela sua baixa densidade populacional (sendo que apenas o Concelho de Campo Maior viu crescer a sua população), por uma elevada taxa de analfabetismo, baixas taxas de educação e formação e marcado envelhecimento da população. A população ativa tem vindo a reduzir-se, sendo que se torna urgente investir na valorização da produção tradicional, atraindo investimento externo. No entanto, não deixa de ser uma região rica no seu património e cultura.

 

Exemplos de iniciativas e projetos apoiados pela Europa

 

  • De forma a preservar a cultura e o património da região, o Museu de Portalegre criou uma rede de património cultural com o objetivo de incentivar a cultura como uma área de desenvolvimento para Portalegre e para a Região, englobando ações de natureza interpretativa e pedagógica ao mesmo tempo que valoriza o património na sua vertente histórica e artística. Para a concretização de tal projeto, a União Europeia disponibilizou EUR 1 452 621,40.

 

  • Fazendo face ao envelhecimento da população, é necessário criar ou melhorar infraestruturas na área dos cuidados de saúde primários. Neste sentido, no Município de Ponte de Sor foi construído um novo edifício, que se destina a ser Centro de Dia, que beneficiou da ajuda de fundos europeus na quantia de EUR 245 336,57.

 

  • Aproveitando o facto de ser o único concelho com um aumento na densidade populacional, foi instaurado em Campo Maior um projeto de expansão da zona industrial, criando 15 lotes, com vista a contribuir para o investimento e desenvolvimento empresarial desta zona, algo crucial para manter as estatísticas populacionais e não perder habitantes, especialmente ativos. Este projeto contou com a contribuição de fundos europeus num total de EUR 426 906,68.

 

  • Para simplificar o acesso a atividades de lazer, incentivando o desporto, temos a construção de complexos desportivos – piscinas municipais – no município de Sousel, cofinanciado pela União Europeia em EUR 443 950,04.

ALENTEJO CENTRAL

O Alentejo Central é a designação de uma sub-região que corresponde inteiramente ao distrito de Évora, realçando o seu o centro histórico e a sua Universidade, caracterizando-se pelos seus traços históricos, pela sua gastronomia e pelas suas favoráveis condições climatéricas. Nesta região, demarcada pelas infinitas planícies, encontramos recursos minerais de grande importância económica, como o granito e mármores. No entanto, não escapou ao envelhecimento populacional e sofreu bastante com a migração da população jovem para o litoral.

 

Exemplos de iniciativas e projetos apoiados pela Europa

 

  • Ao nível do turismo, e tendo em vista o seu incentivo e diversificação por contemplar uma parte significativa da economia da região, encontramos a Residência de Artes, Ciências e Humanidades, Morgado do Esporão, que interliga as áreas presentes no seu nome com a estadia na cidade de Évora, tendo recebido EUR 500 941 de fundos europeus para a sua concretização. Ainda na diversificação turística, temos os Banhos Romanos de Évora, comparticipados em 79% por fundos europeus.

 

  • Para combater a migração dos jovens para centros urbanos do litoral, foi posto em prática um importante projeto de modernização da região do Alentejo central onde se consolidaram os sistemas tecnológicos dos diversos municípios que compõem a região. Este projeto faz parte do PDCT que conta com uma comparticipação total de EUR 36M de fundos europeus.

 

 

MAIS INFORMAÇÕES

Share This